Como aplicar a gamificação na educação: 5 dicas para gamificar a sua aula

O processo de aprendizagem pode ser divertido? Se você ainda tem dúvidas de que a resposta para essa pergunta é um grande “sim”, hoje te apresentaremos como aplicar a gamificação na educação, uma forma de inovar e tornar o processo de aprendizagem mais atrativo e divertido.

Neste conteúdo, elencamos definições, dicas e materiais complementares. Tudo isso para ilustrar como aplicar a gamificação na educação. Vamos começar?

Introdução

Infelizmente, não podemos mais ignorar o fato de que, atualmente, os docentes estão dividindo a atenção de seus alunos com tecnologias como smartphones e notebooks. Essa pode ser uma grande problemática no que tange o desvio de atenção e, por consequência, a efetividade do aprendizado. 

Mas e se pudéssemos agregar a utilização da tecnologia ao processo de absorção do conteúdo? Esse é um dos objetivos propostos pela utilização da gamificação em sala de aula.  

Ilustração

Em síntese, a gamificação tem sido associada à educação de forma recorrente no que se refere a adoção de novos métodos que possuem o intuito de facilitar e tornar o processo de aprendizagem mais  atrativo.

Mas, ao contrário do que muitos pensam, a utilização da gamificação na educação não reduz-se apenas à adoção de jogos em sala de aula. Todo o processo é algo bem mais amplo. Isso significa que busca-se exercitar a ideia de recompensa pelo esforço do aluno em se dedicar à atividade proposta.

O que é gamificação e qual a sua aplicação na educação?

A gamificação consiste no uso da lógica dos games em outros contextos. Em suma, refere-se à aplicação de componentes de jogos em outros aspectos da vida. 

Quando aplicamos esse conceito ao cenário educacional, o objetivo da gamificação consiste em gerar maior envolvimento e engajamento do aluno com o conteúdo que será lecionado

Assim, o professor utiliza ferramentas  e métodos para desenvolver formas inovadoras e atrativas de ministração das aulas, inspirando-se em jogos e, assim, despertando nos alunos a vontade de se envolver de forma ativa com o processo de aprendizagem. 

Ilustração

A gamificação explora o comportamento do ser humano ao trabalhar sentimentos como competitividade, trabalho em equipe, socialização, pensamento crítico e autoconhecimento

Além disso, essa prática vai muito além de simplesmente traduzir as regras dos jogos para a sala de aula. Em síntese, a finalidade desta metodologia de ensino é criar o mesmo sentimento de prazer e competitividade saudável que o aluno sente ao jogar.

Quais os benefícios da gamificação na educação?

Quando devidamente implementadas, as estratégias trabalhadas pela gamificação na educação podem gerar benefícios incríveis. Elencamos abaixo alguns deles, confira:

  • Desenvolvimento cognitivo;
  • Maior envolvimento do aluno;
  • Acessibilidade (por envolver diversas abordagens de ensino);
  • Diversão na sala de aula (despertando o gosto pelo estudo);
  • Desenvolvimento de habilidades como trabalho em equipe e senso de evolução;
  • Fixação ativa do conteúdo;
  • Maior engajamento;
  • Sentimento de curiosidade;
  • Foco na atividade.

Veja a seguir como aplicar a gamificação na educação, mas antes eu tenho um convite para você!

Você já conhece a nossa página de materiais gratuitos?

A Rubeus disponibiliza uma página repleta de materiais gratuitos, desenvolvidos para os nossos leitores. Temos diversos conteúdos que trabalham diferentes temas e abordagens, mas que possuem o mesmo objetivo: ajudar você e a sua instituição a captar e converter mais alunos. 

Clique na imagem abaixo e favorite a página para você sempre tê-la à mão. 😉

CTA: Conheça nossa página de materiais - Rubeus

Como a gamificação pode impactar o aprendizado?

Quando o assunto é como aplicar a gamificação na educação, um dos principais motivos que contribuem para o sucesso dessa metodologia em sala de aula é a inovação e a forma ativa de incentivar e promover o aprendizado.

A pirâmide desenvolvida pelo psiquiatra americano William Glasser, expõe porque isso é tão atrativo. Ele explica que não deve-se trabalhar o aprendizado fundamentando-o em técnicas como memorização. Isso porque a grande maioria das pessoas simplesmente esquecem conceitos rapidamente. Aplicando essa ideia nas salas de aula, podemos dizer que muitos alunos esquecem, facilmente, dos conceitos discutidos assim que a aula termina.

De acordo com Glasser, o aprendizado acontece:

A pirâmide de aprendizagem de William Glasser

Ele sugere ainda que os alunos aprendem e absorvem mais através da prática. Ou seja, o famoso “mão na massa”

3 pontos importantes para se atentar antes de gamificar a sua aula

1) Conheça seus alunos

Da mesma forma como os profissionais de marketing pesquisam sobre suas personas, antes de gamificar suas aulas, é importante conhecer seus alunos, isso permitirá determinar as melhores maneiras de atraí-los.

Busque identificar os jogos mais populares. Isso permitirá alinhar os elementos de gamificação que você utilizará de acordo com os interesses dos alunos. E, por conseguinte, aumentar as chances de manter os alunos ativamente envolvidos no processo. 

2) Trabalhe sob o formato de  “fases”

Com o intuito de tornar todo o processo o mais semelhante possível ao mundo dos jogos, é importante você adotar conceitos e práticas trabalhados por ele, como é o caso da evolução através das fases. 

Dessa forma, ao utilizar o conceito de fases você estará se referindo à progressão do desenvolvimento de habilidades, ao mesmo tempo que torna tudo muito mais autêntico. 

3) Estabeleça um sistema de pontuação

Muitos alunos encaram suas notas como algo muito estressante. Assim, ao praticar a gamificação da educação, busque modificar esse sentimento. Como? Torne a forma de apresentação das notas mais atrativa, destacando o progresso ao invés dos erros.

Em testes e tarefas, você pode dar pontuações e aplicar o conceito de fases, como vimos acima. Crie um quadro de evolução e incentive os alunos a avançarem. O segredo é a forma como você irá expor essa evolução, isso poderá despertar o sentimento de dedicação dos alunos que estão precisando melhorar. 

Como aplicar a gamificação na educação?

Desde a introdução de itens colecionáveis ​​em sala de aula até recompensas baseadas em pontos e participação competitiva, há muitas opções para você considerar. Abaixo elencamos 5 delas, veja: . 

1) Recompensas baseadas em pontos

O ponto principal trabalhado aqui é o sentimento de que o incentivo é um motivador poderoso e pode ser aplicado em todos os aspectos da vida, principalmente nos jogos. 

Ilustração

Quando se trata de como aplicar a gamificação na educação, a dica é: agregue pontuação a cada tarefa realizada. Fazer anotações, participar ativamente das aulas e ter assiduidade são alguns exemplos de práticas que podem ser pontuadas.

Assim, quando os alunos adquirem pontos suficientes, eles podem usá-los para desfrutar de “privilégios” pensados estrategicamente de acordo com o “ritmo” da classe.

No caso da educação infantil, você pode, por exemplo, implementar a recompensa de que, ao atingir uma pontuação de 35 pontos, o aluno pode “pular” uma tarefa, enquanto 50 pontos permite que ele coma um lanche durante a aula.  As possibilidades são enormes!

2) Lição de casa

Sabemos que a grande maioria dos alunos não gosta de fazer lição de casa. No entanto, ao utilizar a gamificação na educação torna-se possível deixar essa prática mais agradável. 

Com a gamificação e a tecnologia interativa, os alunos são expostos a um estilo de aprendizagem novo e divertido que eles também podem experimentar e continuar em casa. Seja através de práticas mais físicas ou através do mundo virtual, como é o caso de plataformas de aprendizagem on-line. 

3) Contação de histórias

No RPG os participantes embarcam em uma aventura através da criação de histórias nas quais eles podem assumir o controle e ser quem quiser. Tudo isso acaba sendo muito atrativo e envolvente. Por isso, a contação de história pode assumir e despertar o mesmo sentimento.

Em resumo, o Storytelling trabalha a contação de histórias, na qual elementos primordiais como personagem, ambiente, conflito e a mensagem principal são construídos, estrategicamente, de forma a transmitir uma mensagem e, ao mesmo, persuadir o ouvinte a realizar determinada ação.

Através de formas persuasivas de contação, é possível deixar as histórias educativas mais envolventes e, assim, promover o comprometimento do aluno.

Você pode saber mais sobre a prática de Storytelling lendo nosso conteúdo. Para acessá-lo, basta clicar na imagem abaixo!

4) Plataformas educativas

Atualmente, existem diversas plataformas educativas que utilizam da dinâmica dos canais digitais para capturar a atenção dos alunos. O Duolingo é um dos exemplos de plataformas educativas que trabalham o aprendizado. Essa, em específico, é uma plataforma de idiomas, mas há muitas outras que trabalham diferentes abordagens e temas. 

5) Criação de avatares

Assim como nos jogos, você pode trabalhar a perspectiva de criação avatares. Dessa forma, solicite aos alunos que desenvolvam “jogadores”, criando adereços e “superpoderes”. Isso irá contribuir para que eles desenvolvam habilidades como a criatividade e a imersão.

Ilustração

E aí, gostou?

Espero que esse material tenha sido útil! Por isso, quero te convidar a contar pra gente, aí nos comentários, em qual estágio sua instituição está quando o assunto é como aplicar a gamificação na educação. Queremos saber: vocês já utilizam ou estão na fase de implantação?

E ah! Caso você ainda não receba nosso conteúdo diretamente em seu e-mail, junte-se a nossa rede de contatos e receba nossas novidades, gratuitamente e com prioridade.

Além de dicas, nós disponibilizamos também notícias, conteúdos e insights sobre o cenário educacional. Para fazer parte do grupo, é só clicar na imagem abaixo!

QUERO RECEBER NOVIDADES DA RUBEUS

Até a próxima e bons resultados! 😉