A aprendizagem baseada em competências consiste em um formato de ensino disruptivo que eleva os estudantes de um nível de aprendizagem rígido e tradicionalmente engessado para um formato que baseia-se na demonstração, pelo aluno, dos resultados de aprendizagem desejados. Entenda, agora, como sua instituição de ensino e seu corpo docente podem revolucionar a forma de ensinar utilizando a aprendizagem por competências.

Introdução

O formato tradicional de ensino como o conhecemos, trabalha uma abordagem de ensino uniforme e padronizada. Isto é, não considera a individualidade inerente a cada aluno. 

Um dos principais problemas é que neste modelo, o ensino é visto como um percurso de superação de etapas. Ou seja, à medida que o estudante avança pelas “fases letivas”, ele se prepara para a próxima. Na prática, o ensino fundamental é encarado como uma preparação para o ensino médio. Esse, por sua vez, é considerado uma preparação para o vestibular, para o Enem e/ou qualquer outra forma de ingresso no ensino superior. E assim, sucessivamente, como uma “bola de neve” onde o aluno é induzido a sempre pensar no próximo passo. Isso pode acarretar em diversos desafios em sua vida pessoal e profissional. 

Falando especificamente do ensino superior, percebemos uma certa dicotomia nesse formato de ensino. Isso porque uma das competências fundamentais para o aluno do ensino superior é a capacidade de pesquisar, explorar fontes, confrontar informações diferentes, criar hipóteses e se expressar. 

Em resumo, todas essas competências acabam sendo “postergadas” pelo formato tradicional de ensino. Ou seja, devido a abordagem engessada de conteúdos pré-definidos e a transmissão de conteúdo baseada em aulas expositivas, os alunos acabam não tendo “tempo”, nem espaço, para desenvolver as competências importantes para as etapas seguintes de aprendizagem. 

Engajamento de alunos - Rubeus

De encontro à necessidade de adaptação, surge o ensino por competências. Esse, por sua vez, abrange e explora a aprendizagem por meio de experiências vivenciadas pelos alunos e como eles reagem a elas. Esse formato de ensino simboliza uma intervenção eficaz nos diferentes aspectos da vida do aluno. Tudo isso ocorre devido a ações que inter-relacionam os componentes do processo de ensino-aprendizagem.

Pensando na importância desse tema para as instituições de ensino, reunimos informações valiosas neste conteúdo. Tais como: definições, benefícios, pilares-chave e aplicações práticas da aprendizagem por competências. Como pontapé inicial, vamos começar por conceitos importantes. Vem comigo?

O que são competências?

Em suma, competência é a habilidade de uma pessoa de praticar o conhecimento adquirido ao longo do tempo. 

Embora não seja totalmente mensurável, pode-se ter uma ideia do quão competente uma pessoa é ao comparar as habilidades e o conhecimento de dois ou mais indivíduos com base em seu desempenho em um trabalho específico ou um teste de habilidade, por exemplo. 

Possuir competências significa ser competente. Na prática, isso é sinônimo de que a pessoa não possui apenas o conhecimento teórico para executar uma tarefa, mas também detém as habilidades para transformar o teórico em soluções práticas que atuam em problemas da vida real.

Uma vez entendido o significado de competência, podemos partir para a sua aplicação nos processos de ensino e aprendizagem.

O que é a aprendizagem baseada em competência?

Em síntese, a aprendizagem baseada em competências, ou aprendizagem por competências, configura-se como um formato de ensino no qual promove-se o conhecimento através da demonstração, pelo aluno, dos resultados de aprendizagem desejados. Ou seja, eles aprendem fazendo, em seu próprio ritmo e se concentram mais no domínio do conhecimento e de habilidades valiosas. 

Não se trata de expor o conteúdo de forma passiva e forçar o conhecimento sobre os alunos. Em vez disso, a aprendizagem por competências garante que os alunos retenham o conhecimento. Além disso, os auxilia a atingirem um grau específico de domínio de um determinado assunto antes de passar para o próximo nível de aprendizagem.

Portanto, ela trabalha com a perspetiva de que, à medida que as competências são absorvidas e comprovadas, os alunos continuam a progredir.

Embora seja mais amplamente utilizada no nível fundamental, muitas instituições de ensino acabam por adotá-la também no ensino médio. A verdade é que não há uma restrição. E, em alguns casos, até mesmo instituições que ofertam o nível superior enxergam na aprendizagem por competências grandes benefícios práticos.

Equipe - Rubeus

Como a aprendizagem por competências pode ser positiva para o desempenho do aluno?

Uma característica primordial da aprendizagem baseada em competências é seu foco no domínio do conhecimento, pelo aluno.

Se pararmos para analisar outros modelos de aprendizagem, percebemos que, na maioria das vezes, os alunos são expostos ao conteúdo por um determinado tempo. Assim, seu êxito é medido de forma somativa. 

Já em um sistema de aprendizagem baseado em competências, os alunos devem demonstrar domínio das habilidades requeridas para só então avançar em sua etapa de aprendizagem

Na prática, isso significa que, ao invés do professor transmitir o conteúdo através de explicações teóricas, ele promove o aprendizado por meio de situações que conduzam os alunos à ação. Isto é, migrando do “É assim que isso funciona” para “Vejam e explorem o funcionamento disso”.

Dessa forma, podemos dizer que a definição de aprendizagem baseada em competências está intimamente ligada à aprendizagem de domínio.

Como a aprendizagem baseada em competências difere do modelo tradicional?

Com o intuito de responder de forma simples a essa questão, precisamos observar a estrutura, o foco e o conteúdo de cada formato. 

No caso dos modelos tradicionais de ensino, o Design Instrucional é orientado por livros, aulas expositivas e conteúdo passado através de métodos passivos de aprendizagem. Além disso, o planejamento instrucional é baseado em um ciclo de feedback infrequente. E, as intervenções e a personalização do ensino são genéricas e esporádicas.

Já na aprendizagem baseada em competências, o design Instrucional é conduzido pelo ritmo dos alunos. Isso porque o mais importante não é a quantidade de conteúdo, mas sim a qualidade da sua absorção pelos alunos

Além disso, na aprendizagem por competências há um ciclo de feedback contínuo, no qual alunos e professores estão em sintonia e dialogam de forma frequente. 

Alunos

A seguir, veremos os benefícios da aprendizagem por competências, mas antes eu tenho um convite para você!

JUNTE-SE A MAIS DE 7.000 PESSOAS!

Assine a nossa newsletter e receba insights poderosos sobre captação, Gestão da Permanência e Marketing Educacional, gratuitamente, diretamente em seu e-mail. 

Junte-se a uma rede composta por mais de 7.000 pessoas! Venha crescer junto com a gente!

QUERO RECEBER NOVIDADES DA RUBEUS

Quais são os benefícios da aprendizagem por competências?

  • Foco no domínio da competência

O principal objetivo da aprendizagem baseada em competências é que os alunos não passem para o próximo nível de aprendizagem, a menos que demonstrem domínio de algumas habilidades específicas. 

Na prática, isso significa que o aluno não “queima etapas”. Ou seja, essa abordagem diminui significativamente o risco do aluno avançar para a próxima etapa de aprendizagem sem que tenha entendido a anterior, diminuindo os índices de reprovação. 

  • Desenvolvimento acadêmico, pessoal e profissional

Outro grande benefício da aprendizagem por competências é o fato dela permitir e trabalhar o desenvolvimento holístico dos alunos. Isto é, o desenvolvimento como completo, em diferentes áreas. 

Com esta abordagem de aprendizagem, os alunos desenvolvem conhecimentos e habilidades. Assim, através do contato mais profundo com o conteúdo, ela contribui para que o aluno traduza essas habilidades como forma de resolver problemas da vida real. 

  • Entendimento de que educação é para a vida toda

A aprendizagem por competências permite que os estudantes entendam que conhecimento nunca é demais. E, por verem sua aplicação prática no dia a dia, a tendência é que desenvolvam o gosto pela continuidade dos estudos. 

Como sabemos, a Educação Continuada é de grande peso para um profissional que almeja altos patamares profissionais. Por isso, desde cedo ela deve ser cultivada e incorporada à carreira acadêmica do aluno.

Detalhamos mais sobre o Longlife Education em nosso guia completo sobre Educação Continuada, que desenvolvemos em parceria com a Workalove. 

Estamos disponibilizando esse material gratuitamente. Clique na imagem abaixo e obtenha o seu!

Educação Continuada: como instituições de ensino aumentam sua receita - Rubeus

Os desafios  da aprendizagem por competências

Assim como toda abordagem disruptiva de ensino, a aprendizagem por competências também abarca alguns desafios. 

Como já mencionado, nesse formato de ensino o professor deixa de exercer um papel de transmitir conhecimento para o de criar situações com a finalidade dos alunos praticarem e se envolverem no processo. Assim, o estudante desenvolve competências e, ao final do curso, ele se sente preparado para resolver aquele determinado problema ou desafio quando se deparar com ele em sua carreira profissional. 

Tudo isso, exige um grande esforço para estruturar a prática de ensino. Ou seja, é preciso alterar a maneira de se apresentar um determinado conteúdo e de expor uma determinada atividade. 

Na prática, isso significa: planejamento dos mínimos detalhes, a incorporação de formatos de ensino que dialoguem com os objetivos da instituição de ensino, chegando até mesmo a reestruturação da formação e do papel dos professores como um todo. 

Ou seja, em muitos casos, a aprendizagem por competências é sinônimo de adaptações da cultura da IE. E sabemos como uma mudança na cultura pode ser altamente desafiadora. 

3 dicas para promover a aprendizagem por competências em sua IE

  • Crie situações que permitam que os alunos explorem

Como mencionado acima, a aprendizagem por competências trabalha com a perspectiva de que os alunos devem atuar de forma autônoma e explorar o conteúdo, ao serem expostos a situações que favoreçam a associação do mesmo. 

Por isso, busque alterar a perspectiva do ensino do “Isso funciona dessa forma” para “Descubram como podemos fazer isso na prática”. 

Ao fazer isso você estará incentivando o protagonismo estudantil, colocando o aluno no centro de sua formação. Ou seja, fazendo-o entender que ele está ali porque deseja e não porque é obrigado. 

Ao estimular o aluno através do seu engajamento e comprometimento, sua IE fornece uma visão de que o seu futuro pessoal e profissional depende, em grande parte, dele. Bem como a perspectiva de que, agora, é o momento de investir em um processo de aprendizagem completo.

Entenda mais sobre como promover o protagonismo estudantil em sua instituição de ensino. Clique na imagem abaixo e confira, na íntegra, nosso conteúdo sobre o assunto!

Protagonismo do estudante: a importância de incentivar o aluno a ser o autor da sua trajetória - Rubeus

  • Faça intervenções

Fornecer feedback e orientação de qualidade aos alunos os ajudará a progredir ao longo de seus caminhos de aprendizagem. Além disso, será útil para se tornarem melhores nas habilidades adquiridas.

Ademais, se preciso, considere alterações nos métodos de avaliação de desempenho de cada aluno. Afinal, a avaliação padrão como a conhecemos pode não ser eficaz em situações de aprendizagem flexível. 

  • Escolha de aprendizagem

O Novo Ensino Médio, em sua essência, visa dar a opção de escolha para os alunos. O intuito principal é fazê-los começar desde cedo a entender o que querem. Ademais, objetiva-se promover o sentimento de segurança para a hora em que realmente devem escolher sua carreira profissional.

De forma semelhante, na aprendizagem por competências, os alunos devem ter a opção de escolher com base em suas preferências. Você pode fazer isso através de diferentes materiais de estudo on-line, modalidades de ensino e a oferta de atividades extracurriculares, por exemplo.

Imagem ilustrativa - Rubeus

Materiais complementares para enriquecer a sua experiência!

Espero que nosso conteúdo esteja sendo uma fonte de insights para você! Para tornar a sua experiência mais completa, eu separei algumas sugestões de leituras adicionais. Elas podem ser bem interessantes para complementar a sua experiência:

👉Uso de metodologias ativas: exemplos, aplicações e benefícios

👉 O que é Educação Sistêmica e como ela pode revolucionar a aprendizagem

👉O que é aprendizagem móvel e porque sua IE precisa se adaptar a ela

👉Aprendizagem construtivista: conheça a metodologia que trabalha o “aprender a aprender”

Considerações finais

Já anotou todas as nossas dicas de leitura adicional? Então agora tenho outro desafio! 

Envie esse conteúdo para algum colega da sua equipe que adoraria conferir nossas dicas. Além disso, não deixe de nos contar, nos comentários, o que achou!

Bons resultados!

Matheus Amaral - Rubeus

Receba dicas de captação e retenção de alunos!

Receba quinzenalmente dicas, ideias e inspirações sobre como captar e reter alunos de forma sustentável.

Tenha acesso a ferramentas, processos e boas práticas para tornar sua instituição de ensino referência no mercado educacional.