A aprendizagem maker configura-se como uma forma prática de ensino que corrobora para o envolvimento dos alunos, resultando no aprimoramento da aprendizagem dentro e fora de sala de aula. Confira agora como aplicá-la na prática e como utilizá-la para promover a eficácia no processo de ensino-aprendizagem.

Para tornar toda a sua experiência ainda mais completa, nós elencamos, ao longo do conteúdo, dicas de materiais e convites especiais para você. Por isso, fique atento(a)!

Boa leitura e bons insights!

Introdução

Já sabemos que a forma de ensinar e aprender está mudando. Tanto os alunos, quanto os professores, têm sentido a necessidade de quebrar paradigmas enraizados há tempos pelos métodos tradicionais de ensino. 

Em resumo, por meio de metodologias ativas e inovadoras, novos métodos têm ganhado espaço nas instituições de ensino, se popularizando entre os alunos, como é o caso da utilização da tecnologia dentro e fora de sala de aula como forma de facilitar o entendimento

Alunos de todas as idades têm encontrado nessas ferramentas uma forma de assimilar o conhecimento de forma ativa. Isso tem o potencial de revolucionar completamente a educação como a conhecemos. 

Portanto, neste contexto, a aprendizagem maker tem ganhado cada vez mais protagonismo no cenário educacional, configurando-se como uma das soluções educacionais que podem trazer grandes benefícios para as instituições de ensino.

Dessa forma, pensando na importância desse tema, elencamos neste conteúdo definições, aplicações e dicas importantes sobre a aprendizagem maker. Confira tudo agora!

O que é aprendizagem maker?

A aprendizagem, cultura ou movimento maker consiste em um processo no qual os estudantes criam, reinventam e/ou agregam novos sentidos a objetos “comuns”.  

A cultura maker segue a prática do “Faça Você Mesmo”, ou seja, incentiva o famoso “mão na massa”. Em suma, ela oferece uma abordagem transformacional para o ensino e a aprendizagem que atende às necessidades reais e relevantes dos alunos. 

Ilustração

Além disso, ela configura-se como uma abordagem que incentiva o interesse do aluno, isto é, promove o protagonismo estudantil. Dessa maneira, trabalha-se a conscientização da visão pelo aluno, de que há um mundo ao seu redor no qual ele faz parte.

Em resumo, a cultura maker exercita a realização de atividades práticas que trabalham tentativas de erros e acertos. Isso significa que essa abordagem de ensino desenvolve habilidades manuais e a capacidade lógica. 

Quais são os benefícios da aprendizagem maker? 

A cultura maker incorpora diversas vantagens às instituições de ensino, dentro e fora da sala de aula. A seguir, elencamos algumas delas:

  • Alunos mais receptíveis

Na aprendizagem maker, os alunos se tornam “donos do processo” por criarem produtos físicos e digitais. Ou seja, ao explorar os interesses e talentos dos alunos, o envolvimento e o comprometimento tendem a aumentar. 

  • Processo de ensino autêntico e desafiador

A aprendizagem maker é baseada em habilidades, conceitos e questões reais e relevantes. Os alunos são desafiados continuamente a darem o seu melhor. Dessa forma, todo o processo tende a se tornar autêntico e desafiador.

  • Incentivo à criatividade

A criatividade é outro benefício possibilitado pela aprendizagem maker. Ela consiste no ato de traduzir novas ideias em realidade.

Por ser uma habilidade muito procurada por empresas em todo o mundo, é essencial trabalhá-la desde os primeiros passos da criança no ambiente escolar.

👉🏻 Aliás, por falar em criatividade, temos um conteúdo que detalha mais sobre sua importância. Estou falando do blog post “Criatividade em sala de aula: a importância de desenvolver essa habilidade”. Não deixe de conferi-lo!

  • Incentivo à colaboração 

Com os desafios propostos, os alunos trabalham juntos, desenvolvendo, assim, o gosto pelo trabalho em equipe. 

  • Uma forma impactante de aprender

O aprendizado maker é uma maneira prática de incentivar o pensamento crítico e a lógica. Ou seja, é um processo interativo com feedback contínuo e loop de desenvolvimento, que permite a reflexão sobre o processo, o produto, o resultado final e o seu impacto no meio no qual está inserido.

Posteriormente, veremos 5 dicas de como aplicar a aprendizagem maker na prática, mas antes eu tenho um convite para você!

Você já conhece a nossa página de materiais gratuitos?

A Rubeus disponibiliza uma página repleta de materiais gratuitos, desenvolvidos para os nossos leitores. Temos diversos conteúdos que trabalham diferentes temas e abordagens, mas que possuem o mesmo objetivo: ajudar você e a sua instituição a captar e converter mais alunos.

Clique na imagem abaixo e favorite a página para você sempre tê-la à mão. 😉

CTA: Conheça nossa página de materiais - Rubeus

Dicas para aplicar a aprendizagem maker dentro e fora da sala de aula

  • Aposte na abordagem “Eu no mundo” 

Explore diferentes lugares e culturas do mundo utilizando o Google Earth. Você pode explorar continentes, países e cidades. Viaje pelo globo, as possibilidades são diversas!

Ilustração

  • Incentive o desenvolvimento linguístico 

Você pode incentivar o desenvolvimento linguístico das crianças pedindo a eles que descrevam diferentes objetos. Provoque reflexões, incentive desafios. 

  • Storytelling

A contação de histórias abre um leque de possibilidades, pois ela incentiva a criatividade. 

Com a pandemia do coronavírus, muitos livros foram disponibilizados gratuitamente. Você pode explorar diferentes abordagens: peça que eles inventem um final diferente ou ainda que eles imaginem como seria a história em outra perspectiva ou em outro tempo histórico, por exemplo.

Quer saber mais sobre como aplicar o Storytelling em sala de aula? Então clique na imagem abaixo e favorite este conteúdo!

  • Incentive que a criança tenha o seu próprio espaço para criar

Incentive junto aos pais, que, em casa, a criança tenha um “espaço para criar”. Ali será o seu estúdio de aprendizagem, reservado para que ela deixe a criatividade “ganhar asas”.

  • Conte com a participação ativa dos professores

Como os docentes estarão em contato direto com os alunos, é primordial que eles sejam o elo forte para a aplicação da abordagem maker. Além disso, para que surta o resultado esperado, é necessário planejamento e uma mudança de cultura dentro e fora da sala de aula.

Portanto, os docentes precisam estar alinhados com a implantação da nova cultura e serem os guias no processo de migração. 

  • Aposte em um espaço que traduza a nova forma de aprender

Como sabemos, a forma tradicional de disposição da sala de aula é com as carteiras enfileiradas, uma atrás da outra. 

Com a cultura maker, é preciso dar um novo formato à sala de aula, criando um ambiente mais acolhedor e que incentive a interação entre os alunos. 

  • Explore a abordagem de caça ao tesouro

De longe, essa brincadeira pode parecer ineficiente. Contudo, ela tem um grande poder de levar o aluno ao pensamento crítico, à lógica e ao entendimento da importância do trabalho em equipe. 

Ilustração

Considerações finais 

Espero que você tenha tido bastantes insights com esse material! Se quiser enriquecer ainda mais a sua experiência no nosso blog, anote as sugestões de conteúdos complementares que separei para você:

Se esse conteúdo foi útil para você, que tal compartilhá-lo com alguém? 

Bons resultados! 😉

Receba dicas de captação e retenção de alunos!

Receba quinzenalmente dicas, ideias e inspirações sobre como captar e reter alunos de forma sustentável.

Tenha acesso a ferramentas, processos e boas práticas para tornar sua instituição de ensino referência no mercado educacional.